domingo, 21 de abril de 2013

Arvore Nativa Cedro


Árvores de Cedro.




Foto do tirado no viveiro de mudas florestas.


Descrição da Árvore:
A forma biológica: árvore caducifólia, com 10 a 25m de altura e 40 a 80 cm de DAP, podendo atingir até 40 metros de altura e 300 cm de DAP, na idade adulta. Todas as partes da planta, quando esmagadas,apresentam cheiro de alho.
Tronco: cilíndrico, reto ou pouco tortuoso, com ausência de sapopemas ou pouco desenvolvido. Fuste com até 15m de comprimento.
Ramificações: dicotômica. Copa alta, densifoliada. Múltipla, corimbiforme, típica.
Casca: com espessura de até 40 mm. A casa extrema é marrom a pardo-acinzentada, com as fissuras longitudinais profundas e largas, muito típicas. A casca interna é avermelhada a amarelada. Com odor agradável.
A dispersão de frutos e sementes se dá pela queda das sementes no solo, dentro do fruto pela ação dispersante do vento.
A sua frutificação ocorre de maneira que os frutos amadurecem de abril a agosto no Rio Grande do Sul; de maio a julho., em  Minas Gerais; de junho a julho em no Espírito Santo;de julho a agosto, no Paraná e em Santa Catarina; de agosto a setembro, no Estado do /rio de Janeiro, e de novembro a fevereiro,em Goiás.
Adquira agora sua muda de cedro temos vários tamanhos.
Fonte:

Fonte:  Espécies de Arbóreas Brasileiras/Paulo Ernani Ramalho Carvalho.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Arvores Nativas - Reflorestamento Barra Mansa


Publicado em 15/04/2013, às 14h52
Última atualização em 15/04/2013, às 14h52


Divulgação
Ação contou com o plantio de oitenta mudas de árvores frutíferas no bairro Santa Rosa
Reflorestamento: Ação contou com o plantio de oitenta mudas de árvores frutíferas no bairro Santa Rosa

Barra Mansa
A secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável realizou na manhã desta segunda-feira (15), o reflorestamento de uma área verde no bairro Santa Rosa. Foram plantadas no local oitenta mudas de árvores frutíferas, entre elas das espécies alfineiro, saboneteira, graviola, pitanga e fruta da condessa. "Optamos por árvores frutíferas para atrair os pássaros e a fauna em geral", explicou o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adaucto Siqueira Neves.
De acordo com o secretário, esta é a primeira ação de reflorestamento realizada pela secretaria este ano. "Além das áreas públicas como esta, nossa intenção é também reflorestar algumas áreas urbanas da cidade", informou, frisando que o objetivo é reflorestar todas as áreas que foram degradadas.
A ação contou com o apoio de funcionários da Susesp (Superintendência de Obras e Serviços Públicos) que fizeram uma capina no local antes do plantio das mudas. Já o plantio foi feito por funcionários da secretaria de Meio Ambiente e moradores do bairro. "Moro no Santa Rosa há mais de 20 anos e nunca houve uma presteza tão grande da prefeitura quanto desta vez. Acho muito importante a preservação de áreas verdes como esta, onde muitos animais dependem desse ecossistema, como lagartos e preás, além de outras espécies que nem vemos", disse a moradora Lucia Helena Alves de Oliveira, que participou da ação.


Leia mais: http://diariodovale.uol.com.br/noticias/0,72112,Secretaria-de-Meio-Ambiente-realiza-reflorestamento-em-Barra-Mansa.html#ixzz2QktqqXmr

terça-feira, 16 de abril de 2013

Podando Árvore


Podando Árvores.



Podando Árvores.
As árvores encontradas no comercio estão em sacos plásticos e têm cerca de 1,80m de altura com vários galhos pequenos na parte inferior. Faça uma poda apropriada de acordo com a árvore que você deseja produzir. O objetivo da poda é desenvolver galhos fortes e produzir uma árvore bonita e equilibrada.
Poda Inicial:
Comece no solo e depois suba removendo dois terços dos brotos laterais e deixando um terço da parte superior crescer por um ano.
Use uma estaca para manter a árvore ereta. No segundo ano, repita o processo, removendo brotos laterais do caule a partir da base e deixando a parte superior crescer. Depois, pode conforme as necessidades da espécie.
Poda de formação:
As árvores encontradas no comércio estão em sacos plásticos e têm cerca de 1,80m de altura com vários galhos pequenos na parte inferior. Faça uma poda apropriada de acordo com as árvores que você deseja produzir. O objetivo da poda de formação é desenvolver galhos fortes e produzir uma árvore bonita e equilibrada.
Fonte: Árvores –Guia Pratico /Nobel

Mudas Florestais - O bambu quebrou


O bambu quebrou

Agora o bambu quebrou no meio! Essa era uma expressão que a gente usava lá no Morro da Liberdade quando encontrava pela frente um problema sem ou quase sem solução. A cabeça fervia horas, às vezes dias a fio atrás de encontrar uma saída e em muitas oportunidades o problema não era resolvido. Aí vinha outra máxima: o que não tem solução, solucionado está. Pois é! Digo que agora o bambu quebrou por causa do texto do novo Código Florestal Brasileiro.
Alvo de longas discussões e aprovaçãono Congresso Nacional, o novo Código Florestal Brasileiro seguiu para sanção da Presidência da República sob protesto de muita gente no País inteiro. Durante algum tempo houve manifestações públicas pedindo que o projeto de lei fosse vetado. O novo Código Florestal foi sancionado pela Senhora Presidente da República e ponto final.
Por ocasião da proximidade do início da discussão da revisão do Plano Diretor Urbano e Ambiental de Manaus (PDUA) fui dar uma olhadinha no tal novo Código Florestal. Em determinado ponto tomei um susto danado. Por que? Porque no artigo quarto, que trata das Áreas de Preservação Permanentes (APAS), na nova regra, inviabiliza uma enormidade de coisas no Amazonas inteiro. Trocando em miúdos: o afastamento da margem dos rios Negro e Solimões, que antes era de cinquenta metros, agora é de quinhentos metros e nada poderá ser construído dentro desse espaço na capital ou no interior, onde se incluem os rios Madeira, Juruá, Purus e todos aqueles com largura superior a seiscentos metros. É isso mesmo. Meio quilômetro de distância da beira do rio passaram a ser intocáveis. Nem prédios, nem casas, nem fazendas, nem plantações de várzea. Se a atual regra valesse antigamente, a Catedral de Manaus estaria proibida de ser construída e sequer a Igreja de Nossa Senhora dos Remédios estaria ali.
Temos que construir portos, imediatamente, e a coisa vai feder. Temos que preparar uma cidade melhor para o futuro, principalmente, com duradoura infraestrutura e não podemos olhar  para a beira dos rios Negro, Solimões ou Tarumã Açu. Agora o bambu quebrou no meio!

Fonte:http://blogs.d24am.com/artigos/2013/04/16/o-bambu-quebrou/

terça-feira, 9 de abril de 2013

AGONANDRA EXCELSA - MUDAS DE ARVORES NATIVAS FLORESTAIS


OGONANDRA EXCELSA
FAMILIA DAS OPILIACEAE

Arvore – folha verde escuro
Frutos maduros e sementes
Tronco

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO : AMAY do tupi – “semente que tem espinho”. Nome que descobri com mateiros de minha região. Também é chamado de umbu do mato, Amarelão ou Raiz de cerveja.

Origem e distribuição: arvore rara e encontrada sempre no meio da floresta semidecidua. Ocorrendo preferencialmente de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul Mais informações no

link: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/index?mode=sv&group=Root_.Angiospermas_&family=&genus=Agonandra&species=&author=&common=&occurs=1&region=&state=&phyto=&endemic=&origin=&vegetation=&last_level=subspecies&listopt=1

Características: A arvore tem folhagem verde escura perene, os ramos terminais são verdes e ligeiramente divaricados (em zig-zag), as folhas são subcoriáceas e elípticas e o peciolo é muito curto (02 a 04 mm) o tronco tem manchas verdes bastante característica da espécie. A inflorescência nasce nas axilas das folhas em racemos de 3 a 5 cm de comprimento contendo 6 a 13 flores cremes. O fruto é globoso, mede 2 a 3 cm de diâmetro, é sucoso e lembra o sabor de laranja lima com kiwi.  

Dicas para cultivo: A planta tem crescimento lento e se cultivada a pleno sol, precisa de sombreamento nos primeiros 3 anos de vida. Aprecia solos vermelhos, com boa umidade, gosta de ser plantada na cabeceira de vertentes onde não há encharcamento. É planta resistente a geadas de até – 2 graus e pode ser plantada em qualquer altitude. Depois de estabelecida também resiste bem as secas.

Mudas: As sementes são globosas com 1 pequeno espinho característico na ponta. As sementes perdem o poder germinativo em menos de 3 meses, por isso devem ser semeadas logo que colhidas. A germinação ocorre em 30 a 40 dias e as mudas atingem 25 cm em 8 meses após a germinação. A planta tem crescimento lento e começa a frutificar com 7 a 9 anos após o plantio. 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol mais precisa de uma cobertura para sombreamento. Se cultivada na sombra sob bosques de arvores grandes a muda apresenta melhor desenvolvimento. O espaçamento recomendado é de 6 x 6 ou 5 x 6 m. As covas devem ter 50 cm de altura profundidade e largura, sendo necessário acrescentar 1 carinho de composto orgânico bem curtido e 1 kg de calcário. A irrigação é necessária no primeiro ano.

Cultivando: Fazer apenas podas de formação, e eliminar os galhos que estiverem mau formados ou nascerem para dentro da copa. O ideal é abrir a copa na forma de taça, permitindo que aja espaço entre os galhos do meio para penetração do sol. Adubar com composto orgânico, pode ser (8 litros) cama de frango + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano. Distribuir os nutrientes à 5 cm de profundidade, em círculos distanciados à 50 cm do tronco. Sempre deixar o solo sobre a projeção da copa coberto com folhas ou capim seco.

Usos: Frutifica de dezembro a janeiro. Os frutos podem ser comidos in-natura. A raiz da arvore serve para fazer cerveja, e os frutos são alimento de diversos mamíferos da floresta como macacos, quatis, pacas e esquilos. 

Observações: Descobri essa espécie em dezembro de 2.007 e pensei que se tratava da Aimbanhém (Ximenia americana) e por algum tempo estava com essa identificação errada, pois, o Amay não tem espinhos. Recentemente também pensei que era o Louro azeitona (Citharexylum laetum) cujos frutos são bastante semelhantes e somente neste mês de agosto pude coletar flores e comprovar sua exata identificação cientifica.